Estudo Bíblico: Cartas Pastorais Lição 6 AS AFLIÇÕES DO EVANGELHO

AS AFLIÇÕES DO EVANGELHO

Versículo Chave

“Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes, participa das aflições do evangelho, segundo o poder de Deus”

(2Timóteo 1.8).

Lição 06 – 11 de fevereiro de 2007

Objetivos da Lição

Mostrar que os crentes devem aceitar as aflições inerentes do evangelho;

Ensinar que o crente deve guardar o modelo das sãs palavras, na fé e no amor;

Culto Familiar

Segunda – (Salmo 34.19) – O Senhor nos livra das aflições Terça – (Colossenses 1.24) – Cumpra as aflições de Cristo

Quarta – (2Timóteo 4.5) – Segue as aflições Quinta – (Hebreus 10.32) – Suportando as aflições

Sexta – (1Pedro 4.13) – Alegrai-vos em serdes participantes das aflições Sábado – (2Timóteo 1.1-18) – As aflições proporcionam crescimento

SUGESTÃO DE HINOS    – 033 – 084 – 247  (Harpa Cristã)

2Timóteo 1.1-18

1 – Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, segundo a promessa da vida que está em Cristo Jesus,

2 – a Timóteo, meu amado filho: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai, e da de Cristo Jesus, Senhor nosso.

3 – Dou graças a Deus, a quem, desde os meus antepassados, sirvo com uma consciência pura, porque sem cessar faço memória de ti nas minhas orações, noite e dia;

4 – desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas lágrimas, para me encher de gozo;

5 – trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti.

6 – Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus, que existe em ti pela imposição das minhas mãos.

7 – Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação.

8 – Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes, participa das aflições do evangelho, segundo o poder de Deus,

9 – que nos salvou e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos dos séculos,

10 – e que é manifesta, agora, pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte e trouxe à luz a vida e a incorrupção, pelo evangelho,

11 – para o que fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios; 12 – por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho, porque eu sei em quem tenho crido e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele Dia.

13 – Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em Cristo Jesus.

14 – Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós.

15 – Bem sabes isto: que os que estão na Ásia todos se apartaram de mim; entre os quais foram Fígelo e Hermógenes.

16 – O Senhor conceda misericórdia à casa de Onesíforo, porque muitas vezes me recreou e não se envergonhou das minhas cadeias;

17 – antes, vindo ele a Roma, com muito cuidado me procurou e me achou. 18 – O Senhor lhe conceda que, naquele Dia, ache misericórdia diante do

Senhor. E, quanto me ajudou em Éfeso, melhor o sabes tu.

INTRODUÇÃO

A vida do crente é constituída por altos e baixos, alegrias e tristezas; que levam o servo de Deus a passar por momentos de aflições, os quais devem ser vividos com firmeza, porque são como o cadinho,

para purificação de nossas vidas. As aflições do evangelho são uma advertência para que o rebanho reconheça a sua dependência de Deus e de Sua Palavra para uma vida cristã saudável.

I – O EVANGELHO PROPORCIONA CRESCIMENTO

NAS AFLIÇÕES

Paulo em meio às aflições do evangelho, tornou-se exemplo cristão por sua fidelidade, de forma tal que nele foi refletido um homem de coragem, integridade, humildade e benignidade (2Co 2.3-7).

1. Porque a promessa que está em Cristo Jesus motiva o crente a viver as boas novas – Paulo leva Timóteo a prosseguir em seu viver cristão de forma idônea, mesmo que as aflições do evangelho o cercassem, a ponto de entristecê-lo (2Tm 1.4).

– O servo de Deus deve viver sua vocação sem covardia, seguindo o evangelho com fidelidade, no entanto, ele não está isento de sofrimento. Tais aflições devem ter como objetivo, aprimorar a vida cristã, para que o mundo veja Cristo nas palavras do cristão (v. 12).

2. Porque por meio da fé, a confiança em Cristo solidifica a vida cristã – Certamente a educação cristã inclui conhecimento de grandes histórias e fatos bíblicos, mas é a essência da vida cristã que toca o coração, a vida do indivíduo, fazendo com que as aflições presentes não se comparem à glória porvir.

– Tomemos o exemplo de Paulo, que mesmo diante de circunstâncias extremas, mostra-se amigo generoso, afetivo, um homem de grande fé e coragem; e por estar totalmente comprometido com Cristo, seu testemunho é profundamente firmado nas realidades espirituais: Humilhação, honra, em todas as circunstâncias, fartura, fome, abundância e escassez, em tudo glorificando a Deus (Fp 4.12,13).

3. Porque a Palavra é anunciada com ousadia e fidelidade

Desde o primeiro século, a igreja tem sido infestada por indivíduos que tentam torcer a verdade adaptando-a à sua própria fantasia, procurando assim inundar a igreja com suas doutrinas, usando textos isolados da Bíblia para sustentarem seus pontos de vista (1 Tm 4.1). Dos vv. 6 a 14, Paulo motiva Timóteo a prosseguir na pregação do evangelho, sem se intimidar diante das heresias, que tinham o único objetivo de confundir a vida dos convertidos, mostrando-lhes que Deus não lhe havia dado espírito de covardia.

– Deus escolheu a Seus servos para serem santos e irrepreensíveis (Ef 1.4); para combater as falsas doutrinas e ser sal da terra (cf. Mt 5.13a), fazendo a diferença no mundo ainda que esteja passando por aflições.

II – AS AFLIÇÕES DO EVANGELHO TORNAM O CRENTE MORDOMO DAS SÃS PALAVRAS

Quando Jesus anunciou sua morte aos discípulos, (Mt 16.21-24; Lc 9.22-27) estava preparando-os para a mordomia do evangelho, bem como para suas aflições. Tomar a cruz significava, e significa, aceitar todos os sacrifícios necessários por amor a Cristo (Mc 8.34b).

Por colocar em prática os dons espirituais (2 Tm 1.6 e 7). – Ser um mordomo de Cristo implica em fazer o devido uso do dom espiritual recebido der Deus. No entanto, às vezes esse dom é negligenciado por timidez (v. 7 e Mt 25.25).

Cristo, o filho do homem, apresentou em sua humanidade características a nós inerentes, como fome, sede, dor, cansaço, sujeito em geral às debilidades da natureza, porém sem pecado

Ao ensinar Timóteo a considerar o exemplo de Cristo, Paulo o fez entender que deveria participar de Suas aflições sem envergonhar-se do testemunho do Senhor (cf. 1 Pe 3.15).

– As sãs palavras trazem para o servo de Deus a certeza de que as aflições do evangelho o alcançariam, no entanto, haveria nele condições para vencer.

3. Por guardar o bom tesouro “Guarda o bom depósito, pelo espírito Santo que habita em nós” (2Tm 1.14) . Ser mordomo implica em cuidar com zelo especial o que lhe é confiado. As sãs Palavras são o tesouro especial de Deus para a vida de Seus servos, pois, trazem a memória o que lhes dá esperança. Sendo assim, mesmo em meio às aflições presentes, o Evangelho deve ser guardado e defendido para que não se apartem da fé (2Tm 3.13-15). Visto que é o Espírito Santo quem capacita o servo de Deus a guardar as verdades infalíveis das Escrituras e a defender a fé original, que uma vez foi dada aos santos (Jd 3) e é Jesus quem nos impede de cairmos para ficarmos prostrados (Jd 24).

– No v. 13 (NVI) “Retenha, com fé e amor em Cristo Jesus, o modelo da sã doutrina que você ouviu de mim”. Paulo ensina a Timóteo a importância de guardar as “sãs palavras” (os ensinamentos de Cristo e dos apóstolos), para que nunca se apartasse delas. Mesmo diante de sofrimento, rejeição, humilhação e zombaria, deveria permanecer fiel.

– Hoje, mesmo com as sãs palavras em evidência, algumas igrejas enfatizam a importância da ‘experiência’, ignorando que o mais importante

a ‘doutrina’, a Palavra de Deus a nós confiada (a BÍBLIA).

CONCLUSÃO

Aprendemos com os ensinamentos de Paulo a Timóteo a importância de permanecermos fiéis em meio às aflições do evangelho.

É necessário conhecermos as sãs palavras e vivê-las diariamente, para que não nos prendamos a experiências desvinculadas da doutrina.

Fomos escolhidos por Deus e feitos herança para louvor de Sua glória. Sendo assim, as aflições do evangelho não têm o objetivo de nos afastar do caminho do Senhor, mas de ensinar-nos a aproveitarmos bem o tempo a nós concedido.

Para reflexão:

• As “aflições do evangelho” têm contribuído para o seu crescimento espiritual?

As aflições têm te ajudado a ser mais ousado na pregação do evangelho?

O que você tem depositado para o futuro?

Questionário para avaliação e debate:

De que maneira as “aflições do evangelho” proporcionam crescimento espiritual?

O que é mordomia cristã?

O que significa as “sãs palavras”?

Clique Aqui Para Ler Desde A Primeira Lição

Clique Aqui Para Ir Para A Lição 7