≡ Menu

Estudo Bíblico: Cartas Pastorais Lição 8 OS TEMPOS TRABALHOSOS

OS TEMPOS TRABALHOSOS

Versículo Chave

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos” (2Timóteo 3.1).

Lição 08

Objetivos da Lição

Ensinar que dias difíceis já estavam previstos para os nossos dias;

Destacar o comportamento que diferencia o cristão do ímpio;

Mostrar o poder corretivo nas Escrituras.

Culto Familiar

Segunda – (Atos 3.21) – Tempos de restauração

Terça – (Atos 14.17) – Tempos frutíferos

Quarta – (Atos 17.30) – Tempos da ignorância

Quinta – (1Timóteo 4.1) – Tempos de apostasia

Sexta – (1Pedro 1.20) – Tempos finais

Sábado – (2Timóteo 3.1-17) – Tempos trabalhosos

SUGESTÃO DE HINOS    -  058 – 096 – 212  (Harpa Cristã)

2Timóteo 3.1-17

1 – Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos;

2 – porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos,

soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,

3 – sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,

4 – traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,

5 – tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.

6 – Porque deste número são os que se introduzem pelas casas e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências,

7 – que aprendem sempre e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.

8 – E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.

9 – Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.

10 – Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, caridade, paciência,

11 – perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio e em Listra; quantas perseguições sofri, e o Senhor de todas me livrou.

12 – E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.

13 – Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados.

14 – Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido.

15 – E que, desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.

16 – Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça,

17 – para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra.

INTRODUÇÃO

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias haverá…” Paulo nos adverte, com o intuito de reanimar a igreja, a permanecer leal a Cristo e à sua revelação. A apostasia na igreja redundará em mais graça e poder aos que mantiverem firmes na fé original que foi entregue aos santos (At 4.33), porém, nesses dias o crente deve estar disposto a enfrentar um volume considerável de impiedade.

I – TEMPOS DIFICEIS

Os últimos dias, citados no v. 1, incluem a era Cristã em sua totalidade. Paulo, porém, profetiza pelo Espírito Santo que as dificuldades aumentariam gradativamente à medida que a volta do Filho do Homem se aproximasse.

Por problemas que se multiplicam - Descontentamento, doenças, decepções, medo, desemprego, solidão, traição, injustiça, divórcios, discórdia, dissensão são alguns dos problemas que enfrentam os cristãos desse século. Confusos e sem conhecimento, lêem livros, pedem conselhos diversos sem orientação bíblica, participam de reuniões de auto-ajuda, e ao final descobrem que estão com mais dificuldades que antes, visto que buscam família, cônjuge, filho e/ou igreja perfeitos. Muitos cristãos se dedicam especialmente a crises, desconhecendo onde está a raiz da dificuldade real.

Por não entender - Será que as nossas dificuldades estão relacionadas com o que Paulo escreveu alertando a Timóteo? “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias virão tempos trabalhosos” (v.1). O aumento da iniqüidade, a procura desesperada em busca de soluções de problemas excluindo a vontade de Deus, o desinteresse pelas coisas do Senhor, são fatores ímpares que desequilibram o entendimento do cristão que não está arraigado na confiança plena em Deus. São tempos trabalhosos de fato, e não há como mudar essa realidade, os últimos dias estão assinalados por um aumento cada vez maior da iniqüidade, um colapso nos padrões éticos e morais, a multiplicação de falsos crentes sem nenhum compromisso com a Sã doutrina. Os servos do Deus altíssimo devem agora mais que nunca se arraigar no conhecimento das Escrituras a fim de não serem enganados.

Por se aproximar o fim - Na busca desesperada de sobrepor aos seus limites e se tornar sempre maior, o homem aprendeu que devia “se amar em primeiro lugar, valorizar a si mesmo sem importar com mais nada”. Fizeram ecoar a quatro ventos: “Você é o mais importante! Merece mais! Honre-se acima de tudo!”, essa exaltação sutil acentuou-se logo após a revolução industrial, que marcou o mundo e mudou a relação do homem com Deus.

Com o avanço da ciência e sua auto-exaltação, o homem não enxerga mais a necessidade em Deus, essa atitude é seguida a risca, e os danos para as gerações seguintes, inclusive a de hoje, são irreparáveis. Observe o resultado de pessoas que são “amantes de si mesmas” : São egoístas, pois não conseguem ajudar ninguém; avarentos, porque não querem dividir; jactanciosos, porque negam a humildade; arrogantes, pois procuram sempre ser melhor e maior que os outros com o intuito de humilhá-los; blasfemadores, pois desfazem de Deus; desobedientes aos pais; irreverentes; desafeiçoados, pois não há nenhum afeto para oferecer; implacáveis; duros de coração; não perdoadores; caluniadores; mentirosos; ingratos, pois a ninguém reconhecem para a necessidade de agradecer; sem domínio de si próprio; traidores; atrevidos, enfatuados; mais amigos dos prazeres que amigo de Deus, logo, inimigos de Deus (1Jo 2.15-16) . Esse é o retrato do caráter de um homem guiado pelo príncipe deste mundo, e em nada se parece com o que pede o evangelho.

II – TEMPOS QUE NOS DIFERENCIA

Uma decisão de atitude deve ser tomada pelo cristão desse século: Estar atento para não se achar parecido nem semelhante aos homens dos últimos dias. Ter um referencial a seguir, e negar os costumes do mundo evitando a influência de ímpios, sobretudo, na família.

Por conhecer as armas do inimigo - Já não é novidade ao cristão, que o inimigo trabalha para desintegração das famílias (v.2). Os filhos são desobedientes aos pais, os homens não têm “afeto natural”; os filhos negligenciam os devidos cuidados aos pais idosos, idolatram o dinheiro, os prazeres e seus objetivos egoístas. De outra forma, Paulo também nos adverte quanto aos falsos crentes, “não demonstram real libertação, não possuem um coração que aceite a verdade do evangelho, e se escondem na aparência de piedade”.

Por nossa fidelidade - Ser leal ao Senhor em tempos de crise, sobretudo nos últimos dias, mantendo e conservando a genuína Palavra em nosso viver, é o que manterá a igreja imune aos ataques de falsos profetas com suas doutrinas. Um exemplo disso é a fábula de que o evangelho é a resolução e fim de todos os problemas e dificuldades na terra, contrariando o qual Paulo nos ensina que o cristão deve esperar por perseguição e dias difíceis (v.12).

– TEMPOS DE APRENDER

A cultura e o pouco incentivo à leitura têm afastado o cristão da palavra do Senhor, poucos são os que valorizam as letras do Sagrado livro, pois não sobra tempo. Os resultados são doutrinas inventadas de momento e um crescimento assustador do religiosismo exagerado; de outra forma um liberalismo extremo, o que consiste em erro.

1. Para edificar a nossa fé - A partir do v.14 Paulo enfatiza a inspiração e a autoridade das Escrituras que é divinamente inspirada. A palavra Theopneustos (gr.) provém de duas palavras, “theos” que significa Deus, e “pneou” que significa respirar logo, “respirado por Deus”. Ele é a fonte e autor final das escrituras, o qual mantém em todas as gerações a autoridade (2Pe 1.21). Essa é a verdade que mantém viva a certeza de fé salvífica em meio aos dias atuais, o verdadeiro evangelho desvenda os olhos e edifica a fé em Cristo Jesus, formando uma conduta e caráter contrários aos citados nos versículos 1 a 7.

2. Para praticar e instruir corretamente - Cientes da extrema corrupção, destruição moral, caráter iníquo e deturpação do evangelho, cabe ao cristão assegurar-se naquilo que aprendeu, tendo posição firme na justiça em Cristo, praticando, em gestos e atitudes, o evangelho “criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (Ef 4.24), “afim de que o homem seja perfeito e perfeitamente habilitado para a boa obra” (2Tm 3.17) Não há nada melhor que instruir homens, com a pureza do evangelho. Tenha o auxílio do Espírito Santo, pois Ele é quem abre nossa mente e dá testemunho em nosso interior. Esmere-se, busque o entendimento, tenha sede de conhecer as riquezas guardadas na Palavra (Sl 42.1).

CONCLUSÃO

O cristão não deve perder o equilíbrio em meio aos tempos que vivemos. A Palavra de Deus é testemunha de Suas promessas, acredite! (Hb 10.23). Quanto ao homem dominado pelas paixões e prazeres desse mundo, não irão avante, são réprobos quanto a fé e não conseguem deter o conhecimento da verdade, porque está guardado àqueles que permanecerem fiéis a Deus.

Para reflexão:

Como você tem enfrentado os “tempos difíceis”?

Como você tem combatido os “homens amantes de si mesmos”?

Que lugar as Escrituras têm ocupado em sua vida?

Questionário para avaliação e debate:

Como podemos definir os “tempos difíceis”?

Dê algumas características das pessoas nesta época chamada “tempos difíceis”

De acordo com 2Tm 3.16, toda escritura divinamente inspirada é proveitosa para que?

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos” (2Tm 3.1)

Clique Aqui Para Ler Desde A Primeira Lição

Clique Aqui Para Ir Para A Lição 9

Comments on this entry are closed.