Estudo Bíblico: “casamento cristão”? (Namoro Noivado Casamento e Sexo)

Click Família

Outra entrevista…

ClickFamília– Como o sr. definiria “casamento cristão”?

Penso no casamento cristão como a união de um homem e uma mulher, segundo

a vontade de Deus, as normas das Escrituras Sagradas e as leis do país, num

pacto de amor, confiança, lealdade, fidelidade e constante busca da felicidade um

do outro e a integridade e felicidade do matrimônio. É a soma de ideais, de

sonhos, de propósitos na qual, vivendo um genuíno amor o casal transforma

divergências em convergência, egoísmos em solidariedade, dois “eus” e um nós.

ClickFamília – Quais são as maiores dificuldades dos casais hoje?

Menciono, sem comentar e sem as colocar em ordem de prioridade ou

importância:

– Incompreensão ou ignorância da natureza e propósitos do casamento, conforme

os padrões bíblicos;

– Falta de vida devocional, pessoal e do casal;

– Ausência do diálogo e de comunicação construtiva no casamento;

– Falta de compromisso com a santidade e fidelidade no casamento;

– Desequilíbrio financeiro e tensão entre os estímulos ao consumismo e

materialismo e o ensino bíblico com relação a um estilo de vida simples.

ClickFamília – O que um casal que está passando por uma crise poderia fazer para

salvar o casamento?

Existem diversas crises no casamento. Em qualquer situação crítica, a primeira

coisa é o casal dar-se conta da crise, conversar sobre ela e juntos pedir a

orientação de Deus. É preciso que detectem as origens ou razões da crise,

apontem o que seria a situação ideal no casamento, qual a realidade que estão

vivendo, quais as opções de ação ou alternativas para solução da crise, e adotem

ações que lhe permitam vencer a crise e chegar à situação ideal ou próxima dela.

Se o casal, com a Bíblia aberta, oração sincera e o diálogo franco, ainda assim

não encontra caminhos, deve buscar a ajuda de um bom conselheiro ou

conselheira familiar, pois Deus usa pessoas como seus instrumentos para ajudar a

gente, tanto quanto usa a Palavra e direção do seu Espírito em nosso espírito.

Enfim, o casamento pode ser salvo, desde que o casal realmente e sinceramente

o deseje.

ClickFamília – – Por que está havendo um aumento de divórcio entre os cristãos?

Vejo várias razões, entre as quais apontaria:

– A influência tremenda da mídia e dos “valores” da pós modernidade, que

apresentam o casamento como algo descartável.

– O individualismo exacerbado que leva as pessoas a cultuarem seus direitos, sem

cuidar de igual forma dos deveres. Sabemos, todavia, que no casamento, como na

vida social em geral, só existem direitos quando se cumprem deveres, e o

casamento, biblicamente compreendido como um pacto diante de Deus e da

sociedade humana, tem tanto deveres como direitos.

– Ignorância do padrão bíblico do casamento e da família.

– O hedonismo de nosso tempo que só sabe de prazer, de alegria, de satisfação, e

ignora o papel da paciência, da abnegação e do sacrifício e sofrimento no

casamento. E assim não se quer abrir mão de direitos por amor à paz, à concórdia

e à integridade da vida a dois.

ClickFamília – – Que conselho o sr. daria a um casal que está no início da vida

conjugal?

Daria este (s):

– Entendam seu casamento como um presente de Deus e um pacto para a vida

inteira, até que pela morte Deus os separe.

– Conforme Mateus 6.33, busquem primeiro o reino de Deus, a vontade de Deus, a

justiça de Deus como revelada em Sua Palavra e, assim, cultivem a vida

espiritual: leiam juntos a Palavra, orem juntos, apresentem juntos ao Senhor os

problemas familiares.

– Não se afastem da igreja, família de Deus.

– Por outro lado, não permitam que mágoa, ressentimento ou dúvida permaneçam

em seu coração: mantenham sempre abertas as portas de diálogo e de

comunicação de um com o outro e de ambos com Deus.

ClickFamília – O sr.acha que as igrejas estão preparadas para ajudar os casais

nos seus múltiplos problemas?

Sim e não. Depende.

Há igrejas que estão preparadas, com ministério bem estruturado e programas

bem orientados para o fortalecimento e apoio das famílias. Há, outras, entretanto,

que não estão. Ocupam-se mais com projetos e programas de evangelização,

missões, ação social, louvor, mas esquecem suas famílias com seus problemas. É

importante fazer evangelização, missões, louvor e ação social, evidentemente,

porque dizem respeito à missão da igreja.

Mas o ministério de apoio à família constitui, a meu ver, prioridade da igreja no

mundo atual, quando tantas forças – e forças infernais – estão a combater o

casamento e a família, e erodir os valores que os cimentam.

Para ser prático: as igrejas precisam abrir os olhos para a criação e funcionamento

eficaz de um ministério da família, para oferecer apoio aos seus membros quanto

à bendita e insubstituível instituição da família.

ClickFamília – – No seu casamento o que o sr. fez bem?

Modéstia à parte, fiz bem muita coisa. A primeira delas, buscar de Deus aquela

que seria minha companheira na jornada da vida e do ministério, celebrar diante

do Senhor nosso pacto conjugal e permanecer, pela bondade Dele, fiel aos meus

votos, lá vão quase quarenta e oito anos.

Fiz bem amar a minha esposa, todos esses anos, e valorizar sua presença e sua

ajuda sempre inspiradoras e abençoadoras.

ClickFamília – – E o que o sr. não faria se casasse com d. Zilá novamente?

Se pudesse começar tudo de novo, ao casar não levaria minha jovem esposa a

morar comigo, na mesma residência de meus pais, mesmo que por pouco tempo.

Ainda que viesse a ser bem modesto o nosso cantinho, cuidaria de fazê-lo só

nosso; por outro lado, não deixaria de expressar com freqüência meu amor por

ela, e de confirmar a importância dela, de sua presença e atuação em nossa

família e ministério.

Não deixaria que houvesse um desequilíbrio – como houve em diversos

momentos de nossa vida conjugal e familiar – entre meus deveres e obrigações

como pastor de igreja e marido e pai.

ClickFamília – Terminando, mencione cinco coisas que os casais devem sempre

cultivar no casamento

Só cinco?

Devem cultivar:

– a espiritualidade do casamento, mantendo-se em comunhão com Deus, com Sua

Palavra e a prática da oração;

– o diálogo franco, constante e caloroso, mesmo que para isso tenham de desligar

televisão e outros aparelhos que possam causar ruído a uma boa comunicação;

– o bom humor e o rir juntos;

67

– o reservar, periodicamente, tempo para estarem só os dois, para “pôr em dia”

sua agenda de assuntos que não puderam ser tratados e resolvidos;

– o estar juntos na casa de Deus, com a família de Deus.

ClickFamília – E cinco coisas que devem evitar?

Devem evitar:

– O uso de uma linguagem grosseira, quando se falam em casa ou em público.

– Falar mal de seu cônjuge para outras pessoas, em vez de tratar pessoalmente

com ele ou ela.

– Criticar publicamente o cônjuge ou de ridicularizar algo o incomode.

– Falar mal dos outros, parentes e/ou membros da igreja. A Bíblia condena esse

pecado.

– Usar no diálogo conjugal mais quente palavrinhas como “sempre”, “nunca”,

“jamais”, em frases parecidas com as seguintes: “Você nunca me amou de

verdade”. “Você sempre está mal humorado”. “Você sempre reclama de mim”,

“Você jamais reconheceu meu trabalho e minha dedicação”.

Você já percebeu que essas frases não costumam expressar a verdade?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>