≡ Menu

Sermão,Estudo Bíblico Jesus e Nicodemos Lições Práticas Para a Vida Cristã. Texto João 3:1-15 (Quem Eram os Fariseus e os Saduceus)

Jesus e Nicodemos Lições Práticas Para a Vida Cristã.

Texto João 3:1-15

Vr 1 “Havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos:

a. Nicodemos era um fariseu. Quem Eram os Fariseus?

Os fariseus eram uma seita pequena (6000 membros em média) e legalista dos judeus, conhecida pelo rígido apego de seus membros aos pormenores cerimoniais da lei. Seu nome significa “os separados”. A interação de Jesus com os fariseus normalmente era como adversários. Ele os repreendeu por usar a tradição humana para anular a Escritura. Especialmente pela total Hhipocrisia. (Fonte Bíblia de Estudo Macarthur). Na Central Bíblias você encontra esta bíblia em super promoção e frete Grátis confira Clique Aqui ou acesse www.centralbiblias.com.br

Nome de uma das três principais seitas judaicas, juntamente com os saduceus e os essênios. Era a seita mais segura da religião judaíca, At 26. 5. Com certeza, a seita dos fariseus foi criada no período anterior à guerra dos macabeus com o fim de oferecer resistência ao espírito helênico que se havia manifestado entre os judeus tendente a adotar os costumes da Grécia. Todo quantos aborreciam a prática desses costumes pagãos, já tão espalhados entre o povo, foram levados a criar forte reação para observar estritamente as leis de Moisés. A feroz perseguição de Antíoco Epifanes contra eles, 175-164 AC levou-os a se organizarem em partido. Antíoco queria que os judeus abandonassem a sua religião em troca da fé idólatra da Grécia, tentou destruir as Santas Escrituras, e mandou castigar com a morte a quantos fossem encontrados com o livro da lei. Os hasideanos que eram homens valentes de Israel, juntamente com todos que se consagravam voluntariamente à defesa da lei, entraram na revolta dos macabeus como um partido distinto. Parece que este partido era o mesmo dos fariseus. Quando terminou a guerra em defesa de sua liberdade religiosa, passaram a disputar a supremacia política; foi então que os hasidianos se retraíram. Não se fala deles durante o tempo em que Jônatas e Simão dirigiam os negócios públicos dos judeus, 160-135 AC.

Os fariseus aparecem com este nome nos dias de João Hircano, 135-105. Este João Hircano pertencia à seita dos fariseus, da qual se separou para se tornar adepto das doutrinas dos saduceus. Seu filho e sucessor Alexandre Janeu, tentou exterminá-los à espada. Porém, sua esposa Alexandra que o sucedeu no governo no ano 78, reconhecendo que a força física era impotente para combater as convicções religiosas, favoreceu a seita dos fariseus. Daí por diante, a sua influência dominava a vida religiosa do povo judeu. Os fariseus sustentavam a doutrina da predestinação que consideravam em harmonia com o livre arbítrio. Criam na imortalidade da alma, na ressurreição do corpo e na existência do espírito; criam nas recompensas e castigos na vida futura, de acordo com o modo de viver neste mundo; que as almas dos ímpios eram lançadas em prisão eterna, enquanto que as dos justos, revivendo iam habitar em outros corpos, At 23. 8.

Por estas doutrinas se distinguiam eles dos saduceus, mas não constituíam a essência do farisaísmo, que é o resultado final e necessário daquela concepção religiosa, que faz consistir a religião em viver de conformidade com a lei, prometendo a graça divina somente àqueles que fazem o que a lei manda. Deste modo, a religião consistia na prática de atos externos, em prejuízo das disposições do coração. A interpretação da lei e a sua aplicação aos pormenores da vida ordinária, veio a ser um trabalho de graves conseqüências; os doutores cresciam em importância para explicar a lei, e suas decisões eram irrevogáveis. Josefo, que também era fariseu, diz que eles, não somente aceitavam a lei de Moisés, interpretando-a com muita perícia, como também haviam ensinado ao povo mais práticas de seus antecessores, que não estavam escritas na lei de Moisés, e que eram as interpretações tradicionais dos antigos, que nosso Senhor considerou de importância secundária, Mt 15. 2, 3, 6.

A principio, quando era muito arriscado pertencer à seita dos fariseus; eram eles pessoas de grande valor religioso e constituíam a parte melhor da nação judaica. Subseqüentemente, tornou-se uma crença hereditária, professada por homens de caráter muito inferior que a ela se filiavam. Com o correr do tempo, os elementos essencialmente viciosos desta seita, desenvolveram-se a tal ponto de fazerem dos fariseus objeto de geral reprovação. João Batista, dirigindo-se a eles e aos saduceus, chamou-os  de raça de víboras. É muito conhecida a linguagem de Jesus, pela qual denunciou severamente estas seitas pela sua hipocrisia e orgulho, pelo modo por que desprezavam as coisas essenciais da lei para darem atenção a minúcias das práticas externas, Mt 5.20; 16.6,11,12; 23.1-39. Formavam uma corporação de intrigantes. Tomaram parte saliente na conspiração contra a vida de Jesus, Mc 3.6; Jo 11.47-57. Apesar disso, contavam-se em seu meio, homens de alto valor, sinceros e retos, como foi Paulo, quando a ela pertencia e de que se orgulhava, em defesa de sua pessoa, At 23.6; 26.5-7; Fp 3.5. Seu mestre Gamaliel também pertencia à mesma seita.

b. Um dos principais dos judeus.

Esta expressão indica que Nicodemos fazia parte do Sinédrio: O principal corpo governante dos judeus na Palestina. Era a “suprema corte” judaica ou conselho governante da época; surgiu provavelmente durante o período persa. No tempo do NT, o Sinédrio era composto pelo sumo sacerdote (presidente), pelos principais sacerdotes, pelos anciãos (chefes de famílias) e pelos escribas, num total de 71 membros. O método de nomeação era tanto hereditário quanto político. Executava jurisdição civil e criminal, segundo a lei judaica. Entretanto em casos de pena de morte requeriam a sanção do procurador romano. Após 70 d.C. e depois da destruição de Jerusalém, o Sinédrio foi abolido e substituído pela Beth Din (corte de julgamento), que era composta de escribas, cujas decisões possuíam apenas autoridade moral e religiosa.

(Fonte Bíblia de Estudo Macarthur). Na Central Bíblias você encontra esta bíblia em super promoção e frete Grátis confira Clique Aqui ou acesse www.centralbiblias.com.br

Verso 2 Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.

a. Nicodemos temia que a sua posição e prestigio fosse colocadas em risco por ir ter com Jesus. Mas mesmo assim decidiu ir vê-lo a noite

b. Mesmo as pessoas temerosas podem crer em Jesus.

c. Geralmente eles tem informações de quem seja Jesus, por terem visto ou ouvido de alguém a respeito do mesmo

d. Então vem para confirmar aquilo que virão em outras pessoas ou ouviram das mesmas

Verso 3 A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.

a. Precisamos ter as palavras certas para os mesmos.

b. Aqui Jesus deu uma resposta que bloqueou a ação de Nicodemos.

Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus

Verso 4 Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?

a.  Mais ao mesmo tempo abriu a porta para a pregação do evangelho.

b. Nicodemos questiona o que houve, e revela a maneira que havia entendido a resposta

  • Como renascer isto na esfera humana é impossível
  • Aqui podemos perceber que toda e qualquer doutrina savífica é inutel

Versos 5  Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.

6  O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito.

a. Jesus agora faz a correta abordagem para que o plano de salvação fosse entendido

b. O que não nascer da água (palavra)

c. O que não nascer do Espírito: uma ação do Espírito Santo sobre a palavra que produz purificação e vivificação

d. Jesus separa as esferas humana e espiritual, e diz que só ação espiritual produz resultados no mundo espiritual, que no caso aqui é o que mais interessa por ser a parte eterna dos homens.

Versos 7  Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo.

8  O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito.

a. Assim como não temos ação do vento em nada podemos influenciar na ação de Deus

b. O Espírito age como quer não depende do que pensamos, agimos, protestamos, ou de quanta “sabedoria” temos.

Versos 9  Então, lhe perguntou Nicodemos: Como pode suceder isto? Acudiu Jesus:

a. Aqui surge a dúvida que possibilita a conclusão da obra começada pela mensagem

b. A pergunta o que devo fazer então para ser salvo?

10  Tu és mestre em Israel e não compreendes estas coisas?

11  Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testificamos o que temos visto; contudo, não aceitais o nosso testemunho.

12  Se, tratando de coisas terrenas, não me credes, como crereis, se vos falar das celestiais?

13  Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do Homem que está no céu.

14  E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado,

15  para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.

a. Vr 10 tu sendo mestre não conhece nem o que você mesmo estuda?

b. Vr 11 Esta salvação já havia sido tipificada lá no passado por Moisés

c. Vr 12,13 Cristo é superior a Moisés, e o fato de Nicodemos acreditar na lei de Moisés já deveria ser suficiente para o mesmo crer em Jesus Cristo como seu salvador porque o próprio Moisés já apontou para Cristo. Hebreus 3:1-7

d. Vr 14,15 a semelhança da serpente levantada no deserto foi a salvação daqueles desobedientes que para ela olhavam, assim Jesus Cristo é a salvação de todo o homem que para ele olhar e crer.

Conclusão

Comments on this entry are closed.